segunda-feira, agosto 21, 2006

Fins de Verão

Dias passam depois do único encontro com o Pedro. Se é que aquilo se poderia chamar de encontro. Aos poucos e poucos Tiago vai esquecendo e prosseguindo com a sua vida. Chega o dia das matrículas e o dia de conhecer a universidade. Tiago inscreve-se e parte rumo ao parque, que fica perto de sua casa. Com o bloco debaixo dos braços, Tiago vai descobrindo os caminhos e travessias da cidade. Descobre o parque e senta-se num banco perto de um lago. Saca do bloco e do lápis e vai desenhando, tentando se abstrair da realidade. Envolve-se aos poucos a desenhar as árvores, o lago e as pessoas que se deitam a apreciar o sol. Fica tão envolvido com o seu trabalho que não repara no vulto que se aproxima.
- Ah, muito bem! Temos artista. – diz o vulto com uma voz familiarmente rouca.
Tiago levanta a cabeça e olha para ele. Pedro. Este sorri-lhe.
- Afinal ainda estás vivo. Pareceu-me reconhecer-te. Posso sentar?
Tiago apenas sorri.
(continua...)


Arms

1 comentários:

Paulo Sempre disse...

Depois volto para saber o final....
O principio é sempre +- assim....
abraço